Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Real Madrid e Bayern de Munique utilizam camisas feitas com plástico retirado do oceano

Mäyjo, 16.11.16

uniformesadidas-ecod.jpg

Duas das maiores equipas de futebol mundial: Real Madrid e Bayern de Munique, usam nesta temporada camisolas feitas com plástico retirado do oceano. Elas garantem alta performance num dos desportos de maior contacto e competitividade.

As camisolas foram desenvolvidas pela fornecedora de material desportivo dessas duas potências do futebol, a Adidas, em parceria com a Parley for the Oceans. O Bayern de Munique usou as camisas Adidas x Parley na partida contra o TSS 1899 Hoffenheim, no dia 5 de novembro. Já o Real Madrid usará na partida contra o Real Sport Gijón, no próximo dia 26.

adidas1.jpg

O segundo produto da parceria são os tênis de corrida UltraBOOST Uncaged Parley. O design foi inspirado nas ondas do mar, trazendo uma malha feita com uma mistura de plásticos retirados do oceano (95%) e poliéster reciclado (5%). Os cadarços, a sola e o suporte do calcanhar também foram feitos com materiais reciclados.

“Esses lançamentos representam um novo passo na jornada da Adidas com a Parley for the Oceans. Nós não somente conseguimos criar um calçado de plástico no recicla do oceado, como também criamos a primeira camisola feita 100% com resíduos do oceano”, explica Eric Liedtke, membro do conselho executivo do Adidas Group e responsável por Global Brands.

O executivo afirma que o objetivo da empresa e da Parley for the Oceans para 2017 é retirar cerca de 11 milhões de garrafas PET de áreas costeiras. Todo esse material será transformado em novos produtos de elite e alta performance.

“Agora não estamos pensando só em gerar conhecimento para o problema. Queremos colocar em ação e implementar estratégias que possam acabar com o ciclo de poluição de plástico para sempre”, afirma Cyrill Gutsch, fundador da Parley for the Oceans.

 

Veja ao vídeo do projeto (em inglês):

 

 

 

RIO 2016: ARTISTA BRASILEIRO CRIA MAIOR GRAFFITI DO MUNDO PARA OS JOGOS OLÍMPICOS

Mäyjo, 19.09.16

mural rio de janeiro 2Mural na cidade maravilhosa 

Fotos: Eduardo Kobra 

 

Alterações climáticas podem ameaçar desportos de Inverno

Mäyjo, 23.09.14

Com os jogos Olímpicos de Inverno à porta, as atenções voltam-se agora não para os atletas e os desportos em si, mas para as condições climatéricas para receber as modalidades nos próximos anos.

Um estudo recente mostra que Sochi, Vancouver, Chamonix, Nagano e Squaw Valley estão sob ameaça das alterações climáticas e em breve poderão não ter condições para realizar desportos no gelo e na neve.

Segundo o estudo, citado pelo agregador de running & lifestyle O Meu Bem Estar, se o aquecimento global continuar ao ritmo actual, apenas 10 das 19 cidades que recebem os Jogos Olímpicos de Inverno terão condições para acolher o evento em 2050. No final do século, este número pode diminuir para seis.

“O legado cultural da celebração mundial dos desportos de Inverno está cada vez mais em risco”, disse o professor Daniel Scott, co-autor do estudo.

“As cidades onde se realizam os tradicionais desportos de Inverno terão cada vez menos capacidade para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno num mundo que se mostra mais quente”, acrescentou

Mesmo que sejam tomadas medidas para reduzir as emissões de dióxido de carbono e, consequentemente, o impacto do aquecimento global nos próximos anos, os investigadores consideram que o número de cidades que podem sediar os jogos no final do seco irá diminuir drasticamente no final do século.

No final de 2050, quatro dos locais que recebem os Jogos Olímpicos terão temperaturas muito elevadas, não tendo, por isso, condições para realizar a competição.

Se a temperatura mínima se mantiver acima dos zero graus numa cidade, as superfícies cobertas com neve e gelo acabarão por derreter, comprovaram os investigadores. Além disso, com estas temperaturas  – acima do aceitável para a prática dos desportos de Inverno -, a formação de neve acabará por afectar a prática das modalidades. Já para não falar da chuva que pode também contribuir para um cenário perigoso para os atletas.

Embora os Jogos Olímpicos de Inverno tenham sido o foco do estudo, os investigadores afirmam que as conclusões “devem preocupar não só os atletas profissionais, mas também a todos os que praticam desportos na neve ou gelo”.

A preocupação com os efeitos que as alterações climáticas podem ter nos desportos Inverno não é recente. No ano passado, 75 atletas medalhados nos Jogos Olímpicos de Inverno escreveram uma carta ao presidente Barack Obama, solicitando-lhe que tomasse medidas para combater as mudanças climáticas.